Apresentação

Se o debate sobre a relação da comunicação com as transformações sociais possui raízes bastante antigas na História do pensamento social, os desenvolvimentos das últimas décadas vieram ampliar consideravelmente a importância desse debate.

Experimentamos hoje  transformações profundas no nosso mundo e nas nossas vidas, numa escala e a uma velocidade sem precedentes. Desde a economia à política, da tecnologia à cultura ou às organizações, dos nossos hábitos ao modo como nos relacionamos uns com os outros, todos os domínios da vida social se encontram hoje marcados por mudanças fundamentais.

Nas suas diversas formas, a comunicação, enquanto realidade antropológica fundamental, no cerne de toda e qualquer experiência individual e social, adquiriu um estatuto essencial à medida que a sua instrumentalização em tecnologias cada vez mais sofisticadas foi operando transformações radicais na sua natureza e, por consequência, nas instâncias sociais que percorre.

Por um lado, a comunicação surge como o elemento catalisador de todas as transformações, potenciada de igual modo por assinaláveis desenvolvimentos tecnológicos com impactes visíveis nas sociedades contemporâneas. Por outro lado, as diversas formas de comunicação (informativa, política, estratégica, cultural ou estética, entre outras) são elas próprias, nas suas práticas e nos seus princípios, simultaneamente resposta e consequência, causa e efeito das transformações do mundo em que coexistem.

É neste contexto que refletir a comunicação e as transformações sociais, nas suas diversas dimensões, é um dos desafios mais interessantes – e, também, mais complexos – das sociedades contemporâneas, que a comunidade académica e científica não pode deixar de realizar e que a SOPCOM assume como tema do IX Congresso.